Fazenda Café Velho – Arceburgo - MG Fone: (35) 3556-1250 Escritório em São Paulo, SP Fone: (11) 9196-8826 Dona Bica nasce em Arceburgo, cidade encravada no meio das montanhas mineiras. Produzida com cana-de-açúcar especialmente plantada, a cachaça Dona Bica, depois de destilada em alambique de cobre, é armazenada em tonéis das mais selecionadas madeiras, num processo totalmente orgânico que segue a tradição artesanal das Minas Gerais, possível somente pela produção limitada a 20.000 litros por ano, que permite o mais rigoroso controle de qualidade. Descubra Dona Bica e conheça o sabor refinado de nossa cachaça. Aqui Você é convidado a conhecer nosso Alambique. Haverá uma bandeira com link para uma página única no idioma Inglês OUR CACHAÇA, OUR DREAM dona Bica, cook of the centenarian farm Café Velho, is cherished by each inhabitant of Arceburgo, State of Minas Gerais, and is the patron of our cachaça (a typical Brazilian alcoholic beverage made from distilled sugar cane), named to honor her and her history. Cachaça Dona Bica is the pride of the town and is produced according to the tradition of the craftsmen from Minas Gerais: a process which begins with the special planting of the sugar cane, followed by the harvesting, which does not resort to the slash-and-burn technique, until the fermentation and distillation, which are conducted under exclusively organic procedures. All of this is carried out under the supervision of Seu Geraldo, our master cachaça maker, who takes care of every little bit, as he says, so that the limited annual production, which is stored in oak and peanut barrels, contains the quality of the best cachaça you have ever tried. Not only the oak and peanut contribute to the flavor of our cachaça: every day, at dusk, dona Bica strolls through the barrels and blesses the production with her constant smile and serene look *** Dona Bica silver rests in peanut barrels, maintaining the pure flavor of the cachaça and Dona Bica gold is aged in oak barrels, incorporating the flavor and the color of this precious wood. *** Brazil should not be the only country to have the privilege of tasting Dona Bica. If you live abroad and want to buy our cachaça, click here; if you want to be our representative, click here. Here : email para cdb@donabica.com.br, assunto: foreign buying Here : email para cdb@donabica.com.br, assunto: representative NOSSA CACHAÇA, NOSSO SONHO Conhecer a cachaça Dona Bica é mergulhar na história de uma cidade, Arceburgo, de uma fazenda, a antiga Fazenda Fortaleza, hoje Fazenda Café Velho, tradicional produtora de café de excelente qualidade, e de uma família, a família do Seu Totó, fundador da cachaça Dona Bica. Seu Totó, um senhor que há muito rompeu a barreira dos 70 anos, sempre foi um colecionador das boas cachaças, que ele tomava com seus velhos amigos, sentados por horas em um dos terraços do casarão da Fazenda Fortaleza. Depois de conhecer excelentes cachaças, Seu Totó decidiu ter a sua própria, consagrando a tradição da fazenda na produção de bebidas especiais. Assim, Seu Totó chamou os filhos, os amigos e antigos colaboradores para juntos alcançarem mais um sonho, o de produzir uma cachaça diferenciada, de excelente qualidade, para ser tomada com os amigos celebrando os nossos momentos especiais. Para tanto, Seu Totó foi conhecer os mais diversos alambiques, no Sul de Minas, na região de Belo Horizonte, na região de Monte Alegre do Sul, em São Paulo, e até a Luis Alves, em Santa Catarina, o Seu Totó foi. Das visitas aos alambiques, o Seu Totó conheceu os melhores fornecedores de alambiques de cobre, moendas, dornas de aço carbono. Conheceu ainda o Engenheiro Carlos, pós-graduado em fermentação de cachaça pela UNICAMP, que veio a assessorá-lo em todo a construção do alambique da cachaça Dona Bica. Foi a partir das visitas que o Seu Totó aprendeu os segredos de cada boa cachaça que experimentava pelo caminho, os quais incorporou na produção de Dona Bica, como a plantação da cana-de-açúcar, espaçada em 1,2m, cultivada sem agrotóxicos e cortada sem que tenha havido queimada, retirando-se as palhas da cana manualmente e o não uso de produtos químicos. Além disso, o Seu Totó foi desenvolvendo técnicas próprias. Por exemplo: as leveduras que provocam a fermentação da cachaça devem ser tratadas com ácido a cada 21 dias. Como o Seu Totó não queria usar produtos químicos, desenvolveu um tratamento com limão cavalo. Assim, a cada 3 semanas são necessários todos os limões de 3 limoeiros! Seu Totó entendia que a cachaça Dona Bica deveria ser a cachaça de Arceburgo, cidade mineira fundada em 1893 por doação do Cel. Cândido Lima de Souza Dias, avô do Seu Totó, a quem pertenciam todas aquelas terras. Para tanto, Seu Totó conclamou a população arceburguense a escolher o nome da sua cachaça. Em concurso na rádio local, houve mais de mil votos, e o nome vencedor, Cachaça Dona Bica, foi uma homenagem à cozinheira da Fazenda Café Velho, querida por cada habitante da pequena cidade. E assim nasceu a Cachaça Dona Bica. Do sonho do Seu Totó, feito realidade pelo esforço de toda uma comunidade. Caso Você tenha interesse em conhecer mais da história da Cachaça Dona Bica ou do Seu Totó, clique aqui. SEU TOTÓ Seu Totó tem 70 anos e toma cachaça há quase tanto. Ultimamente, depois de fundar a cachaça Dona Bica, cuidado de toda a sua produção, ele tem viajado o país afora para conhecer causos e caminhos dos alambiques e tomadores de cachaça desse imenso país. Para conversar com o Seu Totó e conhecer as suas histórias, mande-lhe um e-mail clicando aqui. Este link remeterá o usuário para a página “Fale Conosco” GERALDO, O MESTRE CACHACEIRO Geraldo Silvestre, neto de seu Joaquim, antigo administrador da Fazenda Fortaleza, hoje Café Velho, é o nosso mestre cachaceiro, responsável por todo o processo de produção da cachaça Dona Bica. Como diz o Geraldo, produzir cachaça não é difícil, “mas Você precisa estar junto a todo o momento, e não pode abrir mão da qualidade, porque cada cadinho é importante para que a Dona Bica seja a melhor cachaça que existe”. O processo produtivo começa na plantação da cana-de-açúcar, com mudas selecionadas, que atendam ao brix (medida do teor de açúcar) indicado. A cana deve ser plantada com espaçamento de 1,2m, cultivada sem agrotóxicos e cortada sem que tenha havido queimada, retirando-se as palhas manualmente. Após a colheita, que ocorre apenas no período de maio a novembro, a cana é levada ao alambique, onde, no mesmo dia, deve ser moída. O Geraldo supervisiona a moagem da cana e depois faz com que a garapa seja armazenada em dornas. É nas dornas que ocorre a fermentação. Na cachaça Dona Bica não há produtos químicos, então no início de maio o Geraldo faz um preparado com um pouco de garapa e pedaços de cana, surgindo uma colônia de microorganismos, conhecida como a levedura. É a levedura que faz com que ocorra a fermentação da garapa, na qual todo o açúcar é transformado em álcool. A fermentação demora de um a dois dias, e então o Geraldo tira o caldo-de-cana já fermentada das dornas e o coloca no alambique de cobre. Neste momento, o caldo-de-cana é álcool puro, não possuindo qualquer teor de açúcar. No alambique, à temperatura de até 150º, ocorre a destilação, que demora pelo menos 4 horas. Quando a cachaça começa a sair do alambique, os primeiros líquidos não podem ser aproveitados, porque seu o grau alcoólico é muito alto – é o que costumamos de chamar de cabeça da cachaça. Em seguida, vem o coração, que é a cachaça com qualidade. Por fim, uma terceira parte, também não aproveitada, a chamada calda, que é muito fraca. É o Geraldo que separa uma parte da outra, utilizando os instrumentos do laboratório da cachaça Dona Bica. O chamado coração, a cachaça boa, é então levado aos tonéis de carvalho e de amendoim, onde fica armazenado, envelhecendo por pelo menos seis meses. O engarrafamento da cachaça também é supervisionado pelo Geraldo, para garantia de perfeitas condições de higiene. Além do Geraldo, todo o processo é acompanhado pelo Engenheiro Carlos, pós-graduado em fermentação de cachaça pela UNICAMP, e pelo Seu Totó. Periodicamente, por fim, a cachaça Dona Bica é levada a testes laboratoriais no Laboratório da Universidade Federal de Lavras, para que se ateste a excelência da bebida. Por tudo isso, pelo cuidado na produção, sempre em busca da melhor qualidade, possível somente pela produção limitada a 20.000 litros por ano, é que a cachaça Dona Bica tem o seu sabor refinado. QUEM É A BICA? HISTÓRIAS CONFUNDIDAS A dona Bica é menina famosa por estas bandas das Minas Gerais. Famosa por seus quitutes, famosa por sua presença e agora famosa pela cachaça a que deram seu nome. Criada nestas terras generosas e fartas, a dona Bica foi escolhida para madrinha desta bebida danada da boa! A dona Bica é pura, natural, filha do chão mais pródigo de Arceburgo, onde nasceu. A dona Bica, olhar sereno, sorriso constante mas incompreensível, no seu caminhar vagaroso mas perene, é como essas montanhas de Minas, que se misturam á paisagem e de lá não saem, nunca mais. ARCEBURGO, NOSSA CIDADE A cachaça Dona Bica é produzida na Fazenda Café Velho, de propriedade do Seu Totó, em Arceburgo, nas Minas Gerais. Arceburgo é uma cidade pequena encravada no meio das montanhas mineiras, no sudoeste do estado, quase na divisa com São Paulo, vizinha à cidade de Mococa. Até 1893, a cidade era a colônia de empregados, na maioria italianos, da Fazenda Fortaleza, do Cel Cândido Lima de Souza Dias, avô de Seu Totó. Como a colônia havia crescido demais, o Cel. Candinho, como era conhecido, decidiu doar as terras ao governo estadual, tendo então sido fundado o município de São João da Fortaleza. Como havia outra cidade de mesmo nome em Minas Gerais, optou-se pelo nome Arceburgo, que segundo os entendidos da época significava "cidade forte", o que mostra o destino desta brava cidade mineira! De lá para cá, a cidade desenvolveu-se, mas manteve sua característica de cidade pequena. Diz uma antiga moradora da cidade, cujos netos vivem em São Paulo, onde estudam, que Arceburgo “é uma cidade pequena, de 8 mil habitantes, que não tem McDonald’s, shopping, semáforo, prédio nem faculdade, mas também não tem desemprego nem assaltos, onde podemos dormir com as portas abertas que nada acontece, o que faz com que eu não consiga deixar essa cidade porque sentirei falta da simplicidade e da tranqüilidade do povo arceburguense”. Até hoje Arceburgo tem como principal atividade econômica a agropecuária, com destaque para o café de altíssima qualidade. Recentemente, algumas indústrias têm se instalado na cidade, como a multinacional Nutrimental e a fábrica de balas Cory, contribuindo para o progresso local. Arceburgo tem as atividades de lazer típicas das cidades do interior, como as conversas na praça da Igreja Matriz e os bailes no clube municipal. Em junho, a cidade ferve com visitantes de toda a região, na tradicional Festa de São João Batista, padroeiro da cidade, a qual a Cachaça Dona Bica orgulha-se em patrocinar. O alambique onde se produz a cachaça Dona Bica fica nos arredores do casarão da antiga Fazenda Fortaleza, hoje Café Velho, fundada em meados do Século XIX, cuja sede atual foi construída em 1905. É lá que mora, desde que nasceu, há 70 anos, a dona Bica, cozinhando e tomando conta de tudo e de todos. Conhecer Arceburgo, a Fazenda Café Velho e tomar a cachaça Dona Bica na boca do alambique é certamente uma experiência inesquecível. Por isso, Você é nosso convidado: venha conhecer o processo de produção, o Geraldo, nosso mestre cachaceiro, a plantação de cana, e tome um dedinho de prosa conosco. Arceburgo não é longe de São Paulo, sendo servida por excelentes estradas. Fica na região de Ribeirão Preto, Mococa, Poços de Caldas e Guaxupé. Veja no mapa: foto do mapa Para saber mais sobre Arceburgo, clique aqui. VISITE NOSSO ALAMBIQUE Você é convidado a visitar nosso alambique, na cidade de Arceburgo, Minas Gerais. Além de conhecer todo o processo produtivo, desde a plantação da cana-de-açúcar até o engarrafamento, passando pelos tonéis de amendoim e as barricas de carvalho, Você poderá também sentar-se à mesa de degustação no Armazém do Seu Totó e, enquanto desfruta os deliciosos quitutes da dona Bica e nossa cachaça, tomar um dedinho de prosa. Para agendar uma visita especial a nosso alambique, mande-nos um email clicando aqui. NOSSOS PRODUTOS DONA BICA PRATA Dona Bica Prata é cachaça envelhecida por pelo menos seis meses em tonel de amendoim e jequitibá, madeiras nobres que permitem o amadurecimento da bebida sem influenciar seu sabor, cheiro e aparência. Dona Bica Prata é especialmente indicada para se tomar com os amigos, em caipirinha de frutas selecionadas. DONA BICA OURO Dona Bica Ouro é cachaça envelhecida por pelo menos dois anos em tonéis de carvalho, que, além de amadurecer a bebida, propicia-lhe o sabor e a aparência típica desta nobre madeira. Dona Bica Ouro é especialmente indicada para se tomar com os amigos, pura, gelada ou ao natural. DONA BICA PORCELANA A garrafa de porcelana da Cachaça Dona Bica, com 250 ml de cachaça Dona Bica ouro, é uma ótima opção para uma lembrança de nosso alambique e para presentear os amigos em ocasiões especiais. FALE CONOSCO Formulário com campos para preenchimento de: *Nome E-mail *DDD - *Telefone – Ramal Assunto Mensagem